Praticar exercícios físicos é bom, mas não é vacina

A importância da avaliação médica antes de praticar exercícios

 

Muitas pessoas acreditam que praticar exercícios físicos é o suficiente para evitar problemas de saúde. Porém, esquecem que a atividade física sem orientação médica pode dar início a problemas de saúde, ou podem agravar doenças pré-existentes, muitas vezes, não diagnosticadas. Infelizmente, o melhor exemplo disso, é a recente morte do jogador Serginho, em pleno campo de futebol.

 

Também é comum encontrar pessoas que usam a atividade física para compensar maus hábitos, como fumo e alimentação inadequada. Este é um procedimento perigoso. Para ter uma idéia, o fumo reduz a capacidade de oxigenação do organismo, o que durante a pratica de exercícios, pode provocar lesão coronária.

 

“Para praticar qualquer tipo de exercício, todo indivíduo, de qualquer idade, deve, primeiro, passar por uma consulta com o médico, que avaliará sua saúde, considerando hábitos de vida e o histórico familiar, e solicitará os exames necessários", explica o Dr. Abrão José Cury Jr., diretor da Regional São Paulo da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, médico assistente da Universidade Federal de São Paulo e cardiologista do Hospital do Coração.

 

Depois a pessoa deve passar por uma avaliação fisiátrica para conferir as articulações e os músculos, deve fazer exames cardiológicos - Teste Ergométrico e Ecocardiograma – e laboratoriais, incluindo medição do nível de açúcar no sangue e colesterol. A partir da avaliação física e dos resultados dos exames, o médico pode orientar qual é o melhor exercício para o paciente e como deve ser executado. Os exames, às vezes, indicam alterações físicas ou funcionais. Nestes casos, o médico deve recorrer a exames mais completos para fazer um diagnóstico preciso

 

Os exames detectam ainda arritmias cardíacas, hipertensão e outras doenças, que sob esforço intenso, como uma corrida, podem desencadear problemas ainda mais graves, como infarto do miocárdio, fibrilação ventricular e até morte súbita. Por exemplo: É possível que uma pessoa com lesão coronária, ou estenose aórtica não importante, conviva perfeitamente com estes problemas a vida toda. Porém, a atividade física sobrecarrega o coração, agravar essas doenças e pode ser fatal.