Praticar exercícios físicos é bom, mas não é vacina

Muitas pessoas acreditam que praticar exercícios físicos é o suficiente para evitar problemas de saúde. Porém, o que não sabem, é que a atividade física, não orientada por um médico, pode dar início a problemas de saúde, ou agravar doenças pré-existentes, muitas vezes, não diagnosticadas.

 

É comum encontrar pessoas que usam a atividade física para compensar maus hábitos, como fumo e alimentação inadequada. Este é um procedimento perigoso. Para ter uma idéia, o fumo reduz a capacidade de oxigenação do organismo, o que durante a pratica de exercícios, pode provocar lesão coronária.

 

Todo indivíduo, de qualquer idade, antes de começar a praticar atividade física, deve passar por avaliação médica para detectar precocemente problemas e para que o médico indique o exercício adequado a seu biótipo, bem como hábitos saudáveis. E, a partir daí, periodicamente deve passar por exames médicos.

 

O ideal é que o profissional consultado seja um clínico geral, capacitado a avaliar o paciente como um todo, focalizando especialmente o sistema cardiovascular e o ortopédico.

 

A atividade física pode desencadear problemas de saúde pela quantidade de exercício, por ser inadequada à pessoa, ou por se chocar com doenças pré-existentes e maus hábitos. Os problemas mais conhecidos são os musculares, os ósseos e os articulares.

 

Pessoas hipertensas, ou cardíacas, ou com aneurisma de aorta, por exemplo, doenças freqüentemente não diagnosticadas, correm o risco de agravar o problema, ter complicações, como infarto, derrame e rompimento de aneurisma, e até morrer, durante o exercício.

 

É possível uma pessoa com lesão coronária, ou estenose aórtica não importante conviver perfeitamente com estes problemas a vida toda. Doenças que podem ser diagnosticadas precocemente. A atividade física sobrecarrega o coração, pode agravar estas doenças e chegar a ser fatal.

 

Por: Dr. Abrão José Cury Jr, presidente da Regional da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, médico assistente da Universidade Federal de São Paulo e cardiologista do Hospital do Coração.