Você é perfeccionista ou você tem vergonha?

wisdom-92901Você é do tipo de pessoa que gosta de fazer tudo muito bem feito? Que quando começa a fazer uma coisa não pode fazer outra ao mesmo tempo porque senão não consegue se dedicar de corpo e alma àquilo que está se propondo a fazer? Então acho melhor a gente conversar um pouco sobre isto e tentar ver se este perfeccionismo está te fazendo bem ou não.É muito comum perguntar em uma entrevista de emprego qual é o ponto negativo que se tem. Tão comum que já vi entrevistador não aceitar “perfeccionismo” como resposta, pois muitas vezes a pessoa diz isto porque sabe que também pode indicar que ela seja cuidadosa e dedicada. De fato, a pessoa perfeccionista é dedicada e detalhista e isto também pode ser bom para a empresa, mas será que é bom para a pessoa, para você ser assim?

O perfeccionismo quando é exagerado, a pessoa tem a sensação de que se ela não fizer algo segundo o seu mais alto nível de exigência irá acontecer uma catástrofe e ela será apontada como a responsável por tal falha. Muito trágica esta situação, não é mesmo? Na realidade, esta pessoa tem uma sensação de vulnerabilidade muito grande, ou seja, ela sente que será facilmente afetada se não se precaver e pensar em todos detalhes possíveis.

O que ela tem é medo sentir vergonha. Segundo a Dra. Brené Brown, escritora e pesquisadora da University of Houston, que pesquisa a uma década a vergonha, a vulnerabilidade, a coragem e o merecimento, temos medo de ser julgados e por isso usamos uma armadura.

Ela diz que é bastante confortável dizer: sou um pouco perfeccionista. Na realidade se quer dizer eu faço as coisas muito bem feitas. É bom falar assim, mas é desconfortável dizer: eu tenho vergonha. Por isso ela também define o perfeccionismo como um escudo de 20 toneladas que irá proteger a pessoa de ser ferida.

Então procura-se fazer tudo perfeitamente para evitar a culpa, a crítica e o ridículo.

Quem é perfeito? Existe a perfeição? Buscar isso na vida é buscar o inatingível. Na realidade a Dra Brené coloca que o perfeccionismo é uma questão de percepção, que queremos ser percebidos como perfeitos. Duas coisas impossíveis: ser perfeito e controlar a percepção que o outro tem de nós.

Como superar o perfeccionismo então?

Para superá-lo precisamos ser capazes de reconhecer nossas vulnerabilidades às experiências universais de vergonha, julgamento e culpa. Precisamos desenvolver a resiliência e praticar a autocompaixão. Desta forma podemos acolher nossas imperfeições e encontrar nossos dons mais verdadeiros.

Então, a primeira grande questão é: Sou perfeccionista?

E as questões que se seguem após estas são: Tenho vergonha do que? Do que estou me protegendo? Tenho medo de ser ferido?

Praticar estes questionamentos podem nos ajudar em um exercício de autenticidade que nos dará a real dimensão de quem somos e nos colocará na direção de um esforço saudável onde nos esforçamos para ser melhor para nós mesmos por razões positivas e não para se evitar a vergonha, a culpa e as críticas.

 crédito imagem: Pixabay 

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta